NavCargo

China impõe novas tarifas sobre 128 produtos dos EUA

Governo da China irá tarifar produtos em 15% e 25%.

Um dos principais setores afetados é a suinocultura.

Após semanas de ameaças, a China começa a impor novas tarifas sobre 128 produtos dos Estados Unidos.

A decisão do Ministério de Finanças da China aconteceu após entrarem em vigor tarifas de Washington contra o aço e alumínio estrangeiro.

O valor foi das tarifas do aço e alumínio foi de  25% e 10%, respectivamente, no último dia 23 de março.

A Comissão de Tarifas Aduaneiras da China vai impor uma tarifa de importação de 25% sobre oito produtos, incluindo carne suína.

Foi anunciada também uma tarifa de 15% sobre a importação de 120 commodities, incluindo frutas.

O ministério chinês divulgou um comunicado alegando que as medidas dos EUA violaram regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e não cumprem os requisitos para serem classificadas como “exceções de segurança”.

A alegação é que eram seriam medidas protecionistas, causando danos aos negócios chineses.

As tarifas impostas chegaram a US$ 60 bilhões em bens e limitaram a capacidade dos empreendedores do país asiático a investirem nos Estados Unidos.

A nota relata ainda que as novas tarifas impostas pela China são legítimas e têm como objetivo defender seus interesses.

Outro lado

O presidente Donald Trump, por sua vez, acusa que as práticas comerciais de empresas da China violaram a propriedade intelectual de empresas norte-americanas e provocaram o fechamento de 60 mil fábricas e a perda de 6 milhões de empregos.

As práticas chinesas estariam colocando as empresas americanas em desvantagem, alega o presidente.

Trump argumenta a diferença entre a balança comercial dos países precisa diminuir drasticamente.

Em 2017, a China exportou US$ 505 bilhões em bens para os Estados Unidos. No sentido inverso, foram US$ 135 bilhões em exportações norte-americanas em direção à China.

Prejuízo à suinocultura

Um grande problema é que uma das principais bases eleitorais de Donald Trump é da agricultura, uma das principais prejudicadas com a Guerra Comercial.

Elas destacam estar em meio ao fogo cruzado, tanto em relação às exportações para a China quanto para os negócios com o México.

O Conselho Nacional dos Produtores de Suínos destacam as exportações de US$ 1,1 bilhão para o ‘Tigre Asiático’ no ano passado, colocando o país como o terceiro maior comprador do setor.

Ao todo, foram 309 mil toneladas exportadas.

Mas não são apenas os produtores norte-americanos que devem sair perdendo.

Empresários e investidores chineses também devem ser prejudicados com a guerra comercial.

A WH Group domina as exportações de carne suína para a China e tem a sua sede administrativa em Hong Kong.

 

Veja mais posts que a NAVCARGO traz para você!

 

Fonte: Abracomex